5 etapas para construir um ponto de venda vencedor.

 Na Categoria Marketing

Existem muitas formas de aumentar as vendas no seu negócio. Através de promoção, você consegue atrair clientes de forma rápida. Através de ações de relacionamento, é possível fidelizar clientes. Se você optar por descontos especiais, as possibilidades de fechar negócio se tornam maiores. Mas nada disso funciona se o seu ponto de venda não estiver nos trinques. Então é melhor ficar de olho em tudo que pode afetar a decisão do cliente de efetuar ou não a compra.

Com a finalidade de tornar este texto mais didático, vamos dividir as dicas de acordo com o caminho tomado pelo consumidor no decorrer de um processo de venda. Vamos começar com a vitrine, falar sobre assuntos como o ambiente e o atendimento, e finalizar falando sobre o pagamento. Vamos lá?

1. Vitrine

O princípio é o seguinte: se o cliente está fora da loja, você quer que ele entre. Para ele entrar, ele precisa ser motivado. É aí que entra a vitrine: a primeira motivação do consumidor.

Por isso, você precisa estar em dia com a sua vitrine. Procure mantê-la atualizada, mostrando layouts diferentes e aproveitando as datas comemorativas para usar como temática. Lembre-se também de que os produtos expostos na vitrine costumam ser os mais vendidos. Por esse motivo, evite produtos que estão em baixa no seu estoque, pois isso pode afetar a qualidade do seu atendimento. Vamos falar mais sobre isso quando chegarmos no item “produto”.

A vitrine é uma pequena amostra do que você tem a oferecer no seu ponto de venda. Ao mesmo tempo, ela não deve ser usada para expor todo o seu estoque. Use esse espaço para vender não somente produtos, mas também um nome, um conceito.

2. Ambiente

Entrando na loja, é muito importante que seu cliente se sinta confortável com o lugar. Por isso, o próximo passo para conquistar o bolso do seu cliente é explorar os sentidos dele.

Comece pelo tato: procure disponibilizar espaço para circulação de clientes. Lojas muito apertadas podem afastar consumidores. E isso não é um problema apenas de espaços pequenos, mas também de espaços mal aproveitados. Ofereça assentos confortáveis e/ou anatômicos para o consumidor e seus acompanhantes.

Olfato também conquista: Mantenha seu ponto de venda limpo e com um aroma agradável. Aposte em aromatizantes artificiais para dar um toque de frescor à sua loja. Isso pode fazer com que seu cliente volte à sua loja para uma segunda compra, pois um lugar cheiroso é um lugar limpo. E limpeza é crucial para o consumidor brasileiro. Na rede catarinense de locadoras Videoteca, por exemplo, o aroma é personalizado. Toda loja tem o mesmo cheiro. Esse “cheirinho de Videoteca” torna a marca única de uma forma positiva.

Procure estimular a audição do seu cliente. Escolha músicas que tenham a ver com o perfil do seu público-alvo e deixe o som rolar em um volume que não atrapalhe o diálogo, pois é através dele que o vendedor fará seu trabalho.

Já o paladar pode parecer meio deslocado no campo dos sentidos, mas ainda dá para ser aproveitado para que você possa oferecer um atendimento completo ao seu cliente. Ofereça um suco, ou uma champagne, se o ambiente for condizente. Simples assim.

Para agradar a visão do seu cliente, mantenha a organização e escolha uma decoração que não tenha mais destaque que os seus produtos. Lembre-se que o seu produto é a sua estrela. Todas as ferramentas apresentadas neste texto são meros coadjuvantes quando se trata do seu negócio.

3. Produtos

O produto é, sem sombra de dúvidas, o item mais importante do seu ponto de venda. É por causa dele que o seu cliente se dirige até a sua loja. Por isso, você precisa ter em estoque o que você oferece. Principalmente se o seu produto em questão está ganhando destaque lá na vitrine (lembra quando falamos sobre isso lá em cima?). Ou seja: se está acabando, tire da vitrine imediatamente.

Mas isso também não é suficiente. O consumidor gosta de ter opções. Ele gosta de comparar a primeira ideia com outras possibilidades, outras cores, outros formatos e, em algumas lojas, outras marcas. Assim, seu cliente fica mais confortável em escolher. Ele pode até acabar levando mais do que planejava.

4. Atendimento

Equilíbrio é a palavra-chave quando se trata de atendimento. Ou seja, é muito importante que você esteja pronto para resolver qualquer problema do seu cliente, mas nada de ficar no pé dele o tempo todo. Deixe ele passear pela sua loja, olhar os produtos, entender a dinâmica da sua marca, para que se crie um relacionamento que vai além daquela única venda.

Por um lado, é importante que você não fique em cima pressionando. Existe uma diferença entre oferecer e empurrar. Entenda os limites do seu cliente. Crie um relacionamento com ele, para que ele possa confiar em você e na sua marca. Com isso, ele não somente fechará negócio, como também pode voltar para compras futuras. Lembre-se: você pode até ter metas de venda, mas o consumidor não precisa e não quer saber disso.

Por outro lado, tente não esquecê-lo por completo. Ao mesmo tempo que o cliente não gosta daqueles vendedores que grudam, o oposto é igualmente desagradável. Quando o consumidor não se sente amparado pela loja, ele vira as costas, vai embora e nunca mais volta.

5. Pagamento

Enquanto não houver pagamento, não há compra. É assim que funciona. É perfeitamente possível o cliente desistir da compra na hora de pagar. Por isso, facilite para o consumidor. Procure estruturar seu negócio de modo a permitir diversas condições, como descontos, parcelamentos e promoções.

E não é só no âmbito das condições que o relacionamento tem forte influência na decisão de compra do cliente. Às vezes, um cliente com satisfação moderada pode ser conquistado ou repelido pela sua marca só na hora de pagar. O pagamento é a última interação entre seu cliente e a sua marca. Então é a última chance de você fazê-lo voltar. Aproveite essa oportunidade para mostrar que a sua marca só existe porque existem clientes dispostos a fazer o seu sucesso.

 

Até a próxima!

Matérias

Deixe uma resposta